“Foi a melhor renegociação já ocorrida entre todos os governos”, afirma José Guimarães

Guimarães divide tarefas na Bancada; Deputados foram escolhidos para definir grupos temáticos em diversas áreas de atuação parlamentar

(Brasília-DF, 13/06/2012) “Foi a melhor renegociação já ocorrida entre todos os governos. Nós estamos atendendo todos os agricultores e produtores rurais que tiveram financiamento de qualquer fonte. Do Tesouro, do BNB, do BNDES, FAT, FNE. Portanto, na origem é uma abrangência enorme”, afirmou o coordenador da Bancada do Nordeste, deputado José Guimarães (PT-CE), ao comemorar o anúncio feito hoje pela ministra das Relações Institucionais (SRI), Ideli Salvatti, no final do tradicional “café nordestino” realizado pela manhã no restaurante do subsolo do Anexo II da Câmara dos Deputados.
 
“Nós estamos atendendo mais de 95% das operações que levaram esses agricultores estarem inadimplentes ou estarem sendo executados. Todas as execuções estão suspensas. Portanto, nós vamos limpar, geral, os contenciosos que existiam ao longo do tempo. Limpa o nome no CADIM (Cadastro de Inadimplentes), na instituição (bancária), seja o BNB ou Banco do Brasil, que vão formalizar junto a justiça. Suspende tudo”, comemorou o coordenador da Bancada.
 
Guimarães sustenta que com o anúncio da ministra, “todos (agricultores) agora vão ter acesso aos créditos e aos custeios anunciados pelo governo” há, aproximadamente, um mês, como iniciativas para o enfrentamento das consequências da longa estiagem que a região Nordeste vem encarando desde julho de 2011.
 
“É uma medida de muito impacto”, assegurou.
 
O coordenador da Bancada falou, ainda, que para se ter uma ideia, o impacto do anúncio abrangerá mais de R$ 1,5 bilhão - valor que representa todo o endividamento na região.
 
“Assim, o governo cria as condições para que o Nordeste não interdite esse processo de crescimento econômico. Porque se negocia, o agricultor vai ter direito a crédito; se negocia, ele vai ter direito ao custeio”, complementou.
 
E falou mais.
 
“Portanto, os agricultores vão ter como movimentar os seus pequenos negócios, comprar pastagem para o seu rebanho. São medidas essenciais. A Bancada do Nordeste fez um gol de placa. Nós atuamos numa negociação com o Ministério da Fazenda, com a SRI, a Casa Civil e a Bancada pode se considerar vitoriosa nesta luta especifica da renegociação. É a maior (renegociação) já acontecida na história da República”.
 
O petista garantiu, também, que até então todas as leis que foram aprovadas pelo Congresso Nacional sobre renegociação das dívidas rurais excluía as dívidas contraídas com os recursos do FAT (Fundo de Amparo do Trabalhador), do BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico Social), do Tesouro Nacional e provenientes da Securitização do sistema financeiro. “Só era para o FNE”, comenta.
 
A última lei sobre renegociação “deixou muita gente de fora e agora o esforço era colocar todo mundo e permitir que esses produtores rurais tenham acesso aos créditos”, acrescentou.
 
DEFINIÇÃO DOS GRUPOS TEMÁTICOS – O coordenador da Bancada do Nordeste comentou sobre outros assuntos tratados no encontro de hoje.
 
Segundo ele, antes do anúncio da ministra sobre a renegociação das dívidas rurais, o colegiado definiu como prioridade “retomar” a Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste) como a principal agência fomentadora da economia nordestina.
 
Guimarães garantiu, também, que o fórum de deputados do Nordeste irá “sobretudo” discutir o novo Plano de Desenvolvimento Regional. “É isso que está posto para nós da Bancada”, assinalou.
 
Outro ponto que ficou acertado na reunião de hoje da Bancada do Nordeste foi a definição dos vários grupos temáticos que darão apoio a Bancada. Na área da educação e inovação tecnológica, o responsável será o deputado Ariosto Holanda (PSB-CE); para a área de desenvolvimento urbano e infraestrutura, o deputado Zezéu Ribeiro (PT-BA); para os assuntos federativos, o deputado Júlio César (PSD-PI); para a área de sustentabilidade e convivência com a seca, o deputado Amauri Teixeira (PT-BA); para o desenvolvimento social e combate a pobreza, a deputada Gorete Pereira (PR-CE) e para a área de planejamento e financiamento, o deputado Fernando Ferro (PT-PE).
 
Sobre a definição, Guimarães considerou que assim “a nossa ideia, o nosso centro político” que é a Bancada do Nordeste estará credenciada para puxar o debate sobre a região e o País. “É isso que nós precisamos”.
 
PRÓXIMOS PASSOS – José Guimarães informou, também, os próximos passos da bancada nordestina. O primeiro deles é uma reunião que já está “pré-agendada” entre o grupo parlamentar e o ministro Marco Antônio Raupp, da Ciência e Tecnológia.
 
O segundo objetivo, de acordo com o coordenador, será a realização de uma reunião no Ministério da Fazenda para acertar o pacote de incentivos econômicos as regiões Norte e Nordeste.
 
O terceiro passo, segundo Guimarães, será o de promover um “café nordestino” com o presidente do BNDES, Luciano Coutinho. Seguido de uma quarta reunião para reformular o papel que deve caber para a Sudene.
 
“A bancada estava dispersa, estava desorganizada e agora nós demos assim àquilo que a Bancada precisa para ser forte, ter densidade e ser respeitada aqui dentro. Portanto, nós estamos caminhando bem”, encerrou o parlamentar cearense.