CVT Portuário capacita 225 alunos para o mercado de trabalho e vai receber R$ 500 mil para laboratórios

BNB e Secretaria do Desenvolvimento Econômico apontam perspectivas de financiamento ao empreendedor

O CVT Portuário da Companhia Docas do Ceará entregou para 225 alunos os certificados de conclusão de seis cursos, em solenidade realizada na manhã desta sexta-feira (29 de junho) na sua sede. Do total, 105 deles concluíram os cursos em cinco turmas do Programa de Apoio ao Empreendedor (PAE), uma parceria do Instituto Indesa com o Grupo M. Dias Branco, o BNB e o CVT Portuário.

Para 80 alunos do PAE, o BNB oferece crédito de até R$ 5 mil, com juros de 6,75% ao ano. No mesmo dia, três contratos já estavam prontos para ser assinados na tarde do mesmo dia, informou Thauzer Fonteles, presidente do Instituto Indesa. Na solenidade, o secretário de Desenvolvimento Econômico da Prefeitura de Fortaleza, José de Freitas Uchoa, convidou os concludentes de cursos com 18 a 24 anos para apresentarem projetos nos editais do programa Crede Jovem de julho e agosto destinados a financiar aqueles que quiserem montar o seu próprio negócio. 

Receberam o certificado 34 alunos do curso de espanhol; 17 de informática básica; 36 de soldagem por eletrodo revertido; 17 de eletricista predial; 16 de bombeiro hidráulico e 105 pelo PAE. Os concludentes foram aconselhados a se inscrever no Serviço Nacional de Emprego (Sine), onde os empresários buscam o cadastro de profissionais especializados, como os soldadores, e a mão de obra da construção civil, e às vezes não encontram.

Os profissionais estão aptos a ingressar no mercado de trabalho ou montar o seu próprio negócio, disse o coordenador do CVT Portuário, Anibal Júnior. Segundo ele, de outubro de 2010 a dezembro de 2011, o CVT Portuário capacitou mais de 400 pessoas.

“O CVT Portuário faz um trabalho excelente para Fortaleza, que tem um problema seríssimo, a falta de mão de obra qualificada. Fico satisfeito de ver que a Companhia Docas, que não tem a ver com a educação profissional, está formando pessoas nesta região da cidade tão carente”, disse José de Freitas Uchoa.

Paulo André Holanda assinalou que o bairro Serviluz, no entorno da Companhia Docas, tem o menos índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de Fortaleza, de 0,34, “e está precisando urgentemente de ajuda”. O presidente da Cia Docas lembrou que os cursos na área de construção civil são dados em parceria com a Coopercon, que garante o custeio e o emprego dos alunos.

A atividade da capacitação se insere na missão da Companhia que recomenda ação de responsabilidade social. “Não é esmola, mas educação e trabalho”, afirmou Paulo André. O CVT Portuário em breve estará conectado à Rede Metropolitana de Fortaleza que faz parte do Cinturão Digital, a rede de internet de alta velocidade de empresa de Tecnologia da Informação de Ceará, (Etice), por meio de convênio da Companhia Docas com o governo do Estado, disse ele.

Todavia, como a atividade específica das Docas não inclui a capacitação, a Companhia tem recurso em caixa mas não pode gestar com curso. Por isso, banca apenas o custeio e equipamentos do CVT Portuário e recorre a parcerias com a iniciativa privada, como fez com o grupo M. Dias Branco. Ele anunciou que pretende “bater à porta” do Grupo J. Macedo e Moinho Jereissati.

Paulo André informou ainda que já foram iniciadas realizadas 10% das obras do novo Terminal Marítimo de Passageiros do Porto do Mucuripe, em área de 75 mil m², e agradeceu o empenho do ministro dos Portos, Leônicas Cristino, pelo apoio na captação do investimento de R$ 149 milhões. Na área, segundo ele, a Cia Docas pretende fazer o Museu do Jangadeiro e da Pesca.

O Terminal será aberto à visitação pública com uma estação do metrô metropolitano, o Veículo leve sobre Trilhos (VLT), uma forma de promover a integração porto-cidade. Paulo André observou que a empresa que constrói o Terminal Marítimo registra a falta de mão de obra qualificada em campos como marcenaria marítima, solda metálica e outras especialidades.

O secretário Pedro Castelo ressaltou o momento de expansão da economia do Ceará com investimentos em infraestrutura o citou um executivo da Petrobras que disse que não quer que ocorra no Estado o que está acontecendo em Pernambuco que teve de importar mão de obra. “Só a educação é capaz de mudar esse quadro”, ele afirmou, ao lembrar os investimentos do governo do estado na educação profissional.

Ariosto Holanda relatou a aprovação do Plano Nacional de Educação (PNE) na Comissão Especial da qual faz parte na Câmara, que estabelece a aplicação de 10% do PIB do país na educação pública. “Não vai faltar dinheiro para as escolas e para CVTs para capacitar pessoas que não têm mais tempo de ir à escola mas precisa aprender um ofício para ganhar a vida”, afirmou.


O deputado recomendou ao CVT Portuário sempre oferecer cursos que interagem com o mercado de trabalho, e assinalou que o auditório da unidade é um local de atração da comunidade com projeção de filmes e palco para teatro. Ariosto Holanda disse ainda que pretende trazer para a unidade dos laboratórios de química, física e biologia para apoiar os alunos em curso pré-vestibular.

Para os concludentes de cursos, ele aconselhou:

- Agora vocês estão numa bicicletas. Não parem de pedalar, senão caem. Vocês apenas iniciaram o processo de capacitação, que tem de continuar, e vão ser eternos estudantes.