Prefeitura de Russas vai doar CVT para o IFCE implantar campus avançado no município

O prefeito de Russas, Raimundo Cordeiro, assegurou que vai pedir autorização à Câmara Municipal para doar o Centro Vocacional Tecnológico (CVT) do município para o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFCE), ainda na atual gestão. Em reunião com integrantes do Movimento IFCE Russas, ele garantiu que irá pedir audiência com o reitor do IFCE, Cláudio Ricardo Gomes de Lima, para pleitear a inclusão de Russas no programa de expansão da rede federal de educação profissional e tecnológica já em 2013, usando as instalações do CVT municipal.

Este foi o resultado do encontro de Raimundo Cordeiro, no sábado, dia 8, no CVT, com alunos do IFCE residentes em Russas e com o deputado Ariosto Holanda, que se comprometeu a colocar emenda de R$ 2 milhões para a construção de salas de aula em terreno disponível na unidade, tão logo seja federalizada. As propostas do Movimento IFCE Russas foram apresentadas pelos ex-alunos do campus do Instituto em Limoeiro do Norte, Luana Araújo Alves, Marcello Anderson, Rodnei Regis de Melo e Izamaro de Araújo, todos residentes no município.

O Movimento IFCE Russas colheu abaixo assinado com mais de 300 assinaturas numa mobilização de mais de um ano, informa Luana Araújo Alves, tecnóloga em saneamento ambiental, que criou o seu próprio negócio, uma empresa de projetos na área elétrica para atender as indústrias da região, a Nova ST. A reunião no CVT foi solicitada em e-mail para o deputado Ariosto Holanda e a mobilização dos estudantes foi feita pelo Facebook.

Tecnólogo em Eletromecânica, professor do campus Limoeiro do Norte, Marcelo Anderson enfatizou que o Movimento IFCE Russas não está associado a palanque político de candidato algum, mas é um trabalho da sociedade em conjunto com os ex-alunos. Cerca de 13% dos alunos do IFCE Limoeiro do Norte – 178 estudantes - nasceram em Russas ou residem no município que é a terceira cidade com mais estudantes no campus.

“Até quando vamos ficar exportando para fora de Russas esse potencial?”, indaga Marcelo Anderson. Com população de 69.833 habitantes, a sociedade de Russas apresenta desafios que precisam ser solucionados com elevação da base de qualificação profissional por meio da oferta de educação profissional e tecnológica no nível técnico e tecnológico, argumentam os ex-alunos do IFCE nascidos em Russas.

Como exemplo da necessidade de mão de obra qualificada, os integrantes do Movimento IFCE Russas citam o setor industrial no município, com destaque para cerca de 190 indústrias cerâmicas instaladas, o setor de serviços e o agropecuário. “A baixa disponibilidade de mão de obra qualificada vem dificultando o desenvolvimento acelerado dos setores produtivos na região”, eles afirmam.

“A proposta de implantação de um Campus Avançado do IFCE visa propiciar a qualificação de profissionais para atuar na execução de atividades afins da economia de Russas, obedecendo às especificações e normas técnicas de segurança, com responsabilidade ambiental”, acrescentam os integrantes do Movimento. Como necessários para a economia de Russas, os ex-alunos do IFCE citam os cursos técnicos em cerâmica, automação industrial, eletrotécnica, informática, zootecnia e técnico administrativo.

A economia de Russas justifica a instalação de um Campus Avançado do IFCE, argumenta Rodney Regis de Melo, tecnólogo em Eletromecânica, especialista em segurança do trabalho e mestrando em engenharia elétrica, professor de mecânica automotiva no campus do IFCE em Tabuleiro do Norte, que reside em Russas. O PIB de Russas conforme o IBGE (2009) é composto por R$ 28 mil do setor agropecuário, R$ 99,1 mil da indústria e R$ 256.458 do setor serviços. O município arrecada R$ 71 milhões e apresenta despesa de R$ 64,7 milhões (2009, Ministério da Fazenda).

Hoje não existe nem uma instituição de ensino superior em Russas. “Graças a Deus, a UFC vai instalar um campus no município. Mas também queremos o IFCE”, afirma Rodney  Melo. Antes de ingressar no IFCE como professor, ele lecionou quatro anos no Senai com capacitação técnica e tecnológica. Hoje, os alunos do IFCE residentes em Russas fazem o trajeto para o campus Limoeiro do Norte em dois ônibus viajam nos turnos da tarde e da noite. Mas antes o acesso era feito de carona e até mesmo em cima de sacos de frutas ou de feijão, conforme relato dos ex-alunos.

Além de Limoeiro do Norte, os alunos que concluem o ensino médio em Russas e têm algum recurso procuram instituições de educação superior em Mossoró e Fortaleza. Outros, que não possuem poder aquisitivo, ficam em Russas. Izamaro de Araújo, professor do IFCE no campus de Jaguaribe, queria fazer engenharia elétrica mas por falta de oportunidade para se deslocar a Fortaleza cursou Eletromecânica em Limoeiro do Norte no antigo Instituto Centec, hoje IFCE, concluindo o curso na quarta turma em 2003.

Izamaro de Araújo disse ter sido fundamental o curso no IFCE que abriu o horizonte para o mercado de trabalho em posições que exerceu em empresas de Fortaleza, Limoeiro do Norte, Jaguaribara. Depois de trabalhar no Senai em Fortaleza, há dois anos ele ingressou no IFCE como professor, aprovado em concurso. Em nove anos de carreira, ele nunca trabalhou em Russas.

A indústria ceramista em Russas quando precisa de serviços técnicos tem de contratar profissionais de Fortaleza ou São Paulo, mas poderia contar com mão de obra qualificada local para produzir mais e melhor. O setor, de acordo com Rodnei de Melo, não tem laboratório específico para analisar o material produzido nas indústrias de Russas e precisa modernizar os processos e acelerar a produção.

“Quando entrei para o mercado de trabalho, os técnicos eram mais importantes do que os tecnólogos”, disse Luana Alves, que defende o caminho da educação técnica para inserção dos jovens no mercado de trabalho, afastando-os do perigo das drogas. O deputado Ariosto Holanda observou que há muita gente procurando trabalho, mas na contramão existe muito trabalho procurando profissional. Segundo ele, Russas avançou na atração do campus da UFC porque o prefeito Raimundo Cordeiro conseguiu na Câmara Municipal a doação do terreno e contratou uma empresa para fazer o projeto, já licitado pela reitoria da UFC, que pleiteia no MEC autorização para contratar os primeiros 25 professores.

Ariosto Holanda se comprometeu a reunir os deputados da bancada federal do Ceará com o reitor do IFCE, Cláudio Ricardo, para irem junto à audiência com o ministro da Educação, Aloizio Mercadante, defender a inclusão de Russas na expansão dos institutos federais. O deputado observou que o reitor do IFCE adiantou que a doação do CVT contribui para acelerar o processo, mas além do patrimônio físico precisa da autorização do MEC para o concurso e a contratação de professores e técnicos administrativos para o campus avançado.

O coordenador do CVT, Gilberto Siqueira, observou que a unidade abriga os cursos da Universidade Aberta do Brasil (UAB), é usada para capacitação dos professores do ensino fundamental, cursos de informática e o auditório atende a diversas necessidades do município.  Com a ampliação, será possível conciliar as aulas do IFCE com as atividades da UAB. A UAB oferta cursos de letras português, pedagogia, administração, gestão pública, gestão escolar, química, física e matemática. O espaço existente no CVT comporta a construção de mais quatro salas no térreo com estrutura para mais quatro salas na parte de cima.

“Hoje faço questão de passar o CVT para o IFCE”, afirmou Raimundo Cordeiro. O prefeito de Russas lembrou que a primeira coisa que pediu ao deputado Ariosto Holanda ao assumir a gestão foi a colocação de recursos de emenda para a construção do CVT. Ele defendeu a necessidade de continuação da capacitação dos professores do ensino fundamental e adiantou que o próximo prefeito teria dificuldade com a manutenção do CVT.  O prefeito agradeceu a connquista do campus avançado da UFC em Russas ao reitor da UFC, Jesualdo Farias e ao professor Lindberg Gonçalves, que coordenou o processo.