CVT de Beberibe tem 792 alunos de nível superior na UAB e pretende dobrar capacidade do polo

O Centro Vocacional Tecnológico (CVT) de Beberibe é mais do que uma escola de cunho essencialmente prático, voltada para quem não tem mais tempo de ir para a escola e precisa aprender um ofício em cursos profissionalizantes. A unidade, considerada modelo no Ceará, berço do projeto que atravessa fase de sucateamento em alguns municípios, tem como diferencial o polo de apoio presencial da Universidade Aberta do Brasil (UAB) do Ministério da Educação, hoje com 792 alunos em cursos de graduação e especialização.

O prefeito de Beberibe, Odivar Facó, disse que a Prefeitura ingressou com projeto no MEC para obter recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para ampliar a UAB local e dobrar a capacidade de alunos do polo no município. Até alunos residentes em Fortaleza fizeram vestibular e frequentam a UAB em Beberibe por meio da modalidade de ensino distância em cursos da UFC, Uece e Escola de Saúde Pública ministrados na sala de videoconferência no CVT Rui Facó.

A ampliação da UAB em Beberibe, segundo o prefeito, visa atender ao crescimento da procura por educação superior no município. A prefeitura no início da atual gestão tinha dois ônibus que levavam alunos para cursos em faculdades e universidades, mas agora conta com 12 ônibus que transportam estudantes para outros municípios.

Odivar Facó e o vice César Colaço participaram do seminário Pensando o Meu Município, realizado segunda-feira num hotel de Beberibe com palestra do deputado Ariosto Holanda e a presença do candidato a prefeito do município Orlando Facó e da vice na chapa, Ingrid Bessa. O seminário contou com público de cerca de 600 pessoas, e teve por objetivo ouvir os diferentes segmentos da sociedade no plano de governo participativo com foco na inclusão social pela educação e trabalho.

Com a UAB, os professores da rede municipal de educação de Beberibe têm oportunidade de fazer um curso superior. A melhoria na qualificação é um dos itens que contribuíram para elevar o Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) de Beberibe para a média 5,3 em 2011, uma das mais altas entre os municípios do Ceará e acima da média nacional. O Ideb em Beberibe era de 3 em 2007, cresceu 13% em relação a 2010 e superou em 29% a meta traçada.

Os cursos de Física e Matemática têm mais procura no Polo da UAB com quatro turmas cada, seguidos pelos de Letras-Inglês, Administração-Gestão Pública e Ciências Biológicas com três turmas cada. Os cursos de Pedagogia, Gestão em Saúde e Gestão Pública Municipal, cada um têm duas turmas. O polo oferece ainda cursos de Gestão Escolar, Educação Ambiental, Informática e de Pesquisa e Inovação em Saúde da Família.

“O Polo iniciou atividades em 2008 mas precisa de ampliação urgente, pois novos cursos e turmas estão por vir para iniciar no primeiro semestre de 2013 e já não temos onde alocar tanto aluno”, informa a coordenadora do polo e do CVT do Instituto Centec, Virgínia Tavares. Como exemplo da participação dos professores do ensino público na UAB, ela cita a escola estadual Ana Facó que teve em 2008 um aluno aprovado, ampliou a participação em 2009 para 13 estudantes, chegou a colocar 56 em 2010 e no ano passado aprovou 115 alunos no vestibular nos cursos do polo. “A maioria de nossos alunos são de escolas públicas e professores nas licenciaturas. A UAB veio democratizar o ensino superior público e gratuito”, ela afirma.

Município de praias, serra e sertão, Beberibe criou no ano passado uma Casa do Estudante, hoje com 60 alunos dos distritos rurais, que vieram morar na cidade para poder cursar o ensino médio. O diretor da Escola Estadual de Educação Profissional, Webster Belmino, inaugurada no ano passado com capacidade para 550 alunos, afirma que a Casa do Estudante é referência para o Ceará. A relação do município com a educação, segundo ele, se destaca entre as 92 EEEPs do Ceará pela prioridade dada ao setor.

“Discutir políticas públicas é compromisso de quem quer fazer política séria, com enfoque técnico, ouvindo a população”, disse Webster Belmino. O diretor da EEEP de Beberibe assinalou que “o período eleitoral serve mais para confundir a cabeça do que para esclarecer”.

“Colocamos a educação de Beberibe entre as melhores do Ceará, no lugar que realmente merece. Estava entre as 50 piores”, disse Odivar Facó, lembrando a instalação das salas digitais e reforma de quase todas escolas, melhoria na merenda escolar e a adoção do período integral em algumas unidades.

Das 42 escolas e oito centros de educação infantil, oito já trabalham no regime de educação em período integral, mas a meta é chegar a 35 escolas funcionando nos dois turnos pelo projeto Mais Educação, disse Odivar Facó. A medida cria 90 empregos e contribui para a formação dos jovens.  O prefeito destacou a participação da juventude em 2007 e 2008 nos encontros que foram o alicerce das políticas de governo municipal, com o chamamento aos pais dos alunos, e fez um apelo para que as tarefas sejam continuadas.

Na época em que Ariosto Holanda foi secretário de Ciência e Tecnologia, Orlando Facó era o prefeito de Beberibe. O deputado enfatizou a importância de pensar numa escola diferente para aqueles que não têm mais tempo de ir para a escola formal. É o CVT, que dá cursos de bombeiro hidráulico, soldador e que tem atraído o interesse da construção civil que precisa qualificar profissionais. Há no Brasil cerca de 50 milhões de analfabetos funcionais que não entram num mercado de trabalho que exige conhecimento, observou.

Ariosto Holanda disse que “um bom prefeito é aquele que sempre procura melhorar a qualidade de vida do seu povo, começando pelos mais pobres e os mais humildes”. O deputado defendeu uma gestão que tenha a educação como ponto de partida mas com atenção na saúde,  trabalho e renda, cultura e desporto. Um povo educado, segundo ele, consegue atingir melhoras na saúde e tem mais condição de chegar ao mercado de trabalho.

Orlando Facó defendeu o aumento do investimento em educação no país de 5% atuais para 10% até 2022, conforme aprovado na Câmara pela Comissão Especial que modificou o projeto de lei do Plano Nacional de Educação. “A educação melhorou, mas precisa melhorar muito mais”, afirmou, ao acrescentar que quando chegou à prefeitura de Beberibe o salário da grande maioria dos professores e dos auxiliares educacionais era a metade do salário mínimo.

No início da sua gestão, o prefeito ganhava 10 vezes mais que o professor, mas agora ganha cinco vezes mais, campara Odivar Facó.  “O Brasil, o Ceará e Beberibe têm que continuar investindo muito mais na educação e na capacitação”, disse Orlando Facó ao recordar que em 1997 não havia ensino médio na sede do município de Beberibe. Na sua gestão, destacou ter construído mais de 220 salas de aulas, 12 unidades de saúde, dois estádios de futebol e 14 ginásios para a prática do esporte.

No seminário, foram coletadas sugestões da comunidade para o plano de governo. Orlando Facó conclamou os segmentos da sociedade representados no encontro a participar do plano com sugestões e críticas. O saneamento urbano e abastecimento d'água têm de continuar, anunciou. “Precisamos que as pessoas bem intencionadas se envolvam na política. A ética na política está ficando cada vez mais rasa”, criticou, ao propor que olhem a política com outros olhos.

As mudanças nos países que deram certo começaram pelo município e distritos, argumentou Ariosto, dando como exemplo o caso da Coreia do Sul. Nos distritos é maior a exclusão social e digital. Com base neste quadro, o deputado informou que criou o programa dos Centros de Inclusão Digital (CID) que já implantou quatro unidades em Beberibe e tem recursos assegurados de emendas para instalar mais dois CIDs pelo Instituto de Educação, Ciência e Tecnologia (IFCE).

O deputado propôs integrar os CIDs por meio de uma rede de educação a distância para ministrar cursos do CVT ou do IFCE em Fortaleza para os distritos. “A rede de videoconferência é um atalho para promover o resgate da cidadania, e pode ser usada para cursos na área de educação, treinamento de pessoal da saúde e na gestão”, explicou.