IFCE dará aulas no CVT de Russas pelo Pronatec e firmará convênio com prefeitura local

O Anuário Estatístico do IFCE, lançado nesta segunda-feira nas comemorações dos 104 anos do Instituto Federal de Educação, reúne em mais de 700 páginas os dados de orçamento, infraestrutura, pessoal e outras informações que estavam dispersas da instituição centenária. A edição, coordenada pelo pró-reitor de Desenvolvimento Institucional do IFCE, Tassio Lofti Matos, será entregue ao ministro da Educação, Aloizio Mercadante, como modelo para as demais unidades do Instituto Federal, informou o reitor do IFCE, Cláudio Ricardo Gomes de Lima.

Hoje com 23 campi e mais seis em construção (Acopiara, Boa Viagem, Horizonte, Itapipoca, Maranguape e Paracuru), o IFCE é o segundo maior Instituto da rede federal de educação profissional e tecnológica do país, depois de São Paulo, disse Cláudio Ricardo. O reitor apresentou o Anuário ao receber o prefeito de Russas, Raimundo Cordeiro, que veio propor a doação do CVT do município para ser transformado em unidade do IFCE, em companhia do deputado Ariosto Holanda. Ficou acertado que será celebrado convênio do IFCE com a prefeitura de Russas para iniciar ainda este ano, no CVT de Russas, cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec).

O convênio tem duração de um ano prorrogável por mais cinco anos e prevê que a manutenção do CVT continue a cargo da Prefeitura. Além dos cursos do Pronatec, o CVT de Russas poderá receber os cursos do Ensino Técnico à Distância (e-TEC), do IFCE. O Pronatec foi lançado pela presidente Dilma Rousseff com a meta de ofertar 8 milhões de vagas no ensino técnico até 2014. O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai) na pesquisa Mapa do Trabalho Industrial 2012 assegura que até 2015 a indústria precisará de 7,2 milhões de técnicos de nível médio.

Dois professores do IFCE residentes em Russas, Marcello Anderson e Izamaro de Araújo, tecnólogos em eletromecânica lotados nos campi de Limoeiro do Norte e Jaguaribe, respectivamente, trouxeram para o reitor o abaixo assinado coletado em um ano pelo Movimento IFCE Russas. O Movimento vai continuar a coleta de assinaturas para entregar o documento ao ministro Aloizio Mercadante, a ser feita com a presença da Bancada do Ceará com a planta do CVT de Russas, os dados dos cinco Centros de Inclusão Digital (CIDs) do IFCE situados nos distritos da zona rural do município, descritivo do polo da Universidade Aberta do Brasil (UAB) em funcionamento no CVT.

Cláudio Ricardo informou que o projeto de transformação do CVT de Russas em campus avançado do IFCE precisa ter a aprovação do Ministério da Educação por meio de portaria de autorização de funcionamento, que possibilita a criação de quadro de funções e recursos para custeio. Segundo ele, graças ao presidente Lula o IFCE conseguiu incorporar 10 campi avançados inaugurados pelo MEC no final da gestão do antecessor da presidente Dilma Rousseff.

Os 10 campi haviam sido construídos com recursos de emenda da bancada federal no valor de R$ 18,25 milhões no formato de um CVT, mas depois foram incorporados à rede federal pelo MEC como campi avançados e dotados do quadro mínimo de pessoal com 15 professores e R$ 750 mil para custeio. Um novo passo foi dado este mês para transformar as 10 unidades em campi iguais aos outros com aprovação de dotação de R$ 2,5 milhões para cada um, para construção de salas de aula, laboratórios e ampliação do custeio e quadro de funções.

O reitor classificou como um “gesto de ousadia” a construção de 10 novos campi e relatou o caminho para incorporação da estrutura à rede de educação profissional e tecnológica do Ceará. Conforme Cláudio Ricardo, as 10 unidades começaram com instrutores com bolsas do CNPq conseguidas pelo deputado Ariosto Holanda, depois receberam autorização do então ministro Fernando Haddad para funcionarem com quadro mínimo de pessoal como campus avançado, nova nomenclatura na rede federal.

Ariosto Holanda disse que será seguido um caminho político para tornar o CVT um campus do IFCE. O deputado observou que a Bahia tem dois Institutos Federais, Pernambuco também tem dois e Minas Gerais cinco, e acrescentou que a estrutura do Ceará justifica a criação de mais um instituto no Estado. A região do Jaguaribe, segundo ele, merece ter um Instituto Federal, pois tem presença em Limoeiro do Norte, Tabuleiro do Norte, Jaguaribe, Morada Nova, São João do Jaguaribe, Alto Santo e Aracati.