Raupp é convidado a instalar Plano de Desenvolvimento Científico e Tecnológico para o Nordeste

Bancada do Nordeste e líder do PT formalizam apoio ao ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação

 

José Guimarães, Marco Antonio Raupp e Ariosto Holanda

 

O ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, recebe na terça-feira (dia 26) em audiência no seu gabinete, em Brasília, o coordenador da Bancada do Nordeste e líder do PT, deputado José Guimarães, e o deputado federal Ariosto Holanda, que vêm lhe prestar solidariedade política para permanência no cargo. Por ser um cientista de longa militância na área, com experiência numa diretoria do Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe), dirigente do Parque Tecnológico de São José dos Campos, depois presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência Brasileira (SBPC), os deputados temem que seja substituído na propalada reforma política por um neófito total no setor de ciência e tecnologia.

 

Pesquisador da área de matemática que migrou para a área de gestão da ciência e tecnologia, Raupp substituiu o ministro Aloizio Mercadante, que deixou o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação para assumir o Ministério da Educação. Em maio de 2012, Marco Antonio Raupp recebeu José Guimarães e Ariosto Holanda, que vieram convidá-lo para o lançamento, em Fortaleza, do Plano de Desenvolvimento Científico e Tecnológico para o Nordeste.

 

O plano, que teve como relator Ariosto Holanda, teve origem num desafio que o deputado lançou ao então ministro da Ciência e Tecnologia, Sergio Rezende, na Bancada do Nordeste, se este concordava com a elaboração de uma proposta de desenvolvimento da ciência e tecnologia específico para a região. O ministro, segundo o parlamentar cearense, disse então que não só aceitava como colocava a estrutura do Ministério e instituições vinculadas para ajudar na elaboração.

 

Nos estudos para elaboração da proposta ficou constatado que num período de nove anos deixaram de ser aplicados pelos fundos setoriais R$ 578 milhões que, por lei, estavam destinados a subsidiar projetos das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste, que têm direito a receber 30% do orçamento e, no caso do CT-Petro 40%. O Plano foi entregue no gabinete de Sergio Rezende em fevereiro de 2010, mas não houve tempo hábil para ser implantado na gestão do ministro que foi substituído por Mercadante no governo da presidente Dilma Rousseff.

 

Quando ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Aloizio Mercadante recebeu Ariosto Holanda em seu gabinete e se comprometeu com a agenda do Plano, tema de evento político de apresentação de que participou em novembro de 2011 na Federação das Indústrias da Bahia, em Salvador. Com a chegada de Raupp, houve a retomada da discussão, que pretende avançar para o seu lançamento e implantação, em evento do Banco do Nordeste em Fortaleza, numa data a ser agendada pelo ministro.

 

Ariosto Holanda e José Guimarães têm audiência agendada para a próxima terça-feira (dia 26 de fevereiro) no gabinete do ministro Raupp para convidá-lo a fazer o lançamento do Plano. Um dos objetivos do Plano, a gestão do percentual regional dos fundos setoriais pelo Banco do Nordeste, através do Fundo de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Nordeste (Fundeci), depende de portaria ministerial. O Plano prevê a criação de um Conselho de Desenvolvimento Científico e Tecnológico do Nordeste, formado pelas instituições de ciência e tecnologia dos estados da região, tanto federais como estaduais e presidido pelo ministro Raupp.

 

FONTE: Flamínio Araripe