Deputado diz que não cobra 10% por emendas e acha que a prática fere princípios

Ariosto Holanda propõe emenda conjunta com bancada federal votada no Vale do Jaguaribe 

Em entrevista no programa “A Hora da Verdade” de Lázaro Castro, da rádio Salinas FM em Morada Nova, o deputado federal Ariosto Holanda desafiou qualquer prefeito a dizer se cobrou qualquer porcentagem pela liberação de emendas parlamentares. Indagado pelo radialista sobre a prática corrente por alguns parlamentares, o deputado disse que cobra pela obra feita e que a cobrança por dinheiro fere os seus princípios.

 

Em quase duas horas de entrevista, Ariosto Holanda propôs a reunião de todos os deputados federais votados na região do Vale do Jaguaribe, mais de 10 parlamentares, para que coloquem emendas numa visão de integração regional para grandes projetos de desenvolvimento regional. Como exemplo do poder aglutinador, o parlamentar informou que três deputados da bancada federal do Ceará – ele mesmo, Chico Lopes e Artur Bruno – colocaram emenda de R$ 23 milhões na Universidade Estadual do Ceará (Uece) para a implantação de 10 polos da Universidade Aberta do Brasil (UAB).

 

Se três deputados conseguiram colocar R$ 23 milhões, 10 deputados ou mais podem colocar R$ 200 milhões a R$ 300 milhões, compara Ariosto Holanda, que propõe começar a discussão em conjunto com os prefeitos e bancada federal de um plano de desenvolvimento integrado do Vale do Jaguaribe. A ideia, segundo ele, já foi colocada à representação regional da Associação dos Prefeitos do Ceará (Aprece), a Amuvale.

 

Com soma dos recursos de emendas dos deputados federais votados nos municípios do Vale do Jaguaribe, Ariosto Holanda sugere que podem ser realizadas grandes obras de infraestrutura como uma adutora, escolas, uma estrada ou açudes. Em vez de ficar atendendo a projetos pessoais, deste modo, com as emendas conjuntas, segundo ele, todo mundo ganha e é beneficiado.

 

Na entrevista a Lázaro Castro, Ariosto Holanda informou que cada deputado federal tem direito por ano a R$ 12 milhões para emendas no orçamento, ou R$ 48 milhões por ano. Se o deputado cobra 10% deste valor, na eleição seguinte está com quase R$ 5 milhões para a campanha, disse o parlamentar que não vende emenda nem compra voto.

 

“Por duas vezes votei no Ariosto. Como político, ele serve de exemplo para mim. Faz política sem interesses; outros, só amarrando o voto”, disse o prefeito de Morada Nova, Walderley Nogueira, após ouvir a entrevista do deputado na rádio Salinas. Ele lembrou a afirmação do deputado de que desafiava qualquer prefeito a dizer se tinha cobrado por emenda.

 

“Isso é muito importante. Morada Nova precisa de pessoas como você”, afirmou Wanderley Nogueira ao deputado. O prefeito contou que estava na semana passada na Câmara Federal, precisava falar com o deputado José Guimarães e não podia entrar no plenário na Comissão Especial sobre a seca. Ariosto, então, o acompanhou até Guimarães.

 

Ariosto convidou o prefeito a participar de audiência que pretende agendar com o presidente do Banco do Nordeste (BNB), Joel Ary Lanzarin, com o diretor geral do Departamento Nacional de Obras Contra as Secas (DNOCS) e o reitor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFCE), Virgílio Araripe, para tratar de educação profissional e tecnológica dentro de uma estratégia de desenvolvimento e convivência com a seca. O deputado anunciou que pretende discutir a implantação de Centros Vocacionais Tecnológicos (CVT) nos perímetros irrigados, proposta aprovada pelo Ministério da Integração Nacional no projeto de reestruturação do DNOCS, e a criação de incubadora de empresas nos projetos de irrigação.

 

Morada Nova – acrescenta o deputado – terá o primeiro CVT de Biocombustíveis. O parlamentar adiantou que já destinou R$ 2 milhões em emenda para a unidade, que terá de um lado uma usina de biodiesel e de outro uma usina de etanol. “Se der certo este piloto, a produção de biocombustíveis vai servir de modelo para outros projetos de irrigação”, disse ele.

 

O lançamento do programa Mais Etanol, pela presidente Dilma Rousseff, conforme Ariosto Holanda, que tem a intenção de substituir as importações do combustível, reforça a tendência de que o mercado de energia cada vez é mais seguro, o que se produzir tem garantia de venda. A usina de biodiesel que será instalada no setor 3 do perímetro irrigado Morada Nova, onde será instalado o CVT de Biocombustíveis, já está pronta à espera do carreto do DNOCS que vai buscar a unidade.

 

O presidente da Associação dos Moradores do Sítio Exu e Adjacências (Amense), Clodoaldo Galvão, informou que serão necessários cinco caminhões para fazer o transporte, que ainda não foi providenciado porque o DNOCS alega não ter recursos para pagar as diárias do pessoal que acompanhará o transporte. Segundo ele, que trabalha como assessor do secretário de Agricultura de Morada Nova, Edson Brito, tão logo chegue a unidade, a Prefeitura se encarregará de providenciar a parte de licença ambiental.

 

FONTE: Flamínio Araripe